O Sistema está Quebrado

Google Play

Apple Store

 

NFPA Noticias

O Sistema está Quebrado

Por

Porque o mortal incêndio em Londres e outros eventos, aqui e no exterior, exigem uma chamada internacional à ação.

Em junho a mídia foi consumida com o resultado do incêndio da Grenfell Tower, em Londres, onde morreram ou foram consideradas mortas 79 pessoas. Reportagens cobriam a flamabilidade do revestimento externo, a falta de sprinklers no prédio, o conceito de “abrigo no local” e outros assuntos. Por si só foi uma horrível tragédia. Combinada com outros recentes eventos sugere uma perturbadora tendência que pode representar um sério recuo na segurança de incêndios pelo mundo.

Por exemplo, em menos de um ano vimos 36 pessoas morrer no incêndio do Ghost Ship em Oakland, um antigo armazém usado atualmente como espaço de habitação e entretenimento. O incêndio levanta questões sobre as autorizações para seu uso, a aplicação dos códigos, a falta de alarmes de incêndio e o papel dos ocupantes na compreensão do impacto do ambiente sobre sua segurança pessoal. Vimos um incêndio numa fábrica de embalagens no Bangladesh que matou 23 pessoas num edifício cuja proteção contra incêndio era terrivelmente inadequada. Vimos um incêndio florestal no Tennessee queimar mais de 6.800 ha de terreno e matar 14 pessoas, levantando questões sobre a realização dum planejamento prévio, como construir na zona de interface urbano-florestal de forma que as estruturas resistam aos incêndios florestais, a capacidade dos bombeiros para responder a um evento dessa magnitude e a consciência pública sobre a ameaça crescente. Outro incêndio florestal devastador em Portugal deixou 62 vítimas fatais, das quais muitas morreram queimadas em seus carros quando tentavam escapar, levantando questões similares sobre planejamento e preparação. Vimos uma menina de seis anos morrer em Connecticut quando um incêndio destruiu uma  casa recentemente construída que, se tivesse sido construída em conformidade com os códigos nacionais, teria tido sprinklers anti incêndio e muito provavelmente um desfecho muito diferente.

Cada um desses incidentes é uma tragédia individual. Juntos, descrevem um problema global mais amplo que requer ação. Olhando para eles na sua totalidade, constituem um exemplo coletivo de como, quer intencionalmente quer por acidente, o sistema de prevenção e proteção contra incêndios foi quebrado. Um sistema que o público acredita que existe e conta com ele para sua segurança. Um sistema que, devido a pouca exigência, as más políticas e a economia colocada a frente da segurança na construção, defraudou o público.

Onde foi que perdemos o rumo? Em cada um desses cenários, assim como em muitos outros que não mencionamos aqui, podemos apontar para um ou mais fatores: O uso de códigos e normas desatualizados; a aceitação de requisitos de segurança reduzidos para poupar dinheiro; ignorar as normas de referência citadas num código; a falta de educação quanto à aplicação dos códigos e normas; pouca ação para fazer aplicar os códigos; um público que não é consciente dos perigos de incêndio.

Quando o governo e outras entidades não adotam ou os projetistas não usam as ultimas versões dos códigos e normas, eles perdem o benefício da tecnologia, da pesquisa e da sabedoria coletiva relacionadas com a segurança contra incêndio e elétrica e a segurança humana.

Quando os responsáveis pelas políticas decidem retirar dos códigos as provisões de segurança humana e proteção da propriedade, eles substituem com políticas requisitos técnicos que haviam sido determinados depois de contribuições extensas de todo o espectro das pessoas bem informadas.

Quando os utilizadores deixam de analisar ou seguir as normas às quais os códigos fazem referência, eles não garantem que as práticas e os produtos corretos sejam utilizados nas situações corretas, aumentando a vulnerabilidade aos desastres.

Quando os profissionais envolvidos no projeto, na instalação e na aplicação e manutenção não se atualizaram quanto aos últimos requisitos eles podem acabar aplicando produtos de forma inadequada, produzindo resultados catastróficos.

Quando jurisdições, vítimas de pressões fiscais ou da falta de compreensão da sua importância, reduzem os esforços para fazer aplicar os códigos, elas põem  em risco as comunidades, na medida que os edifícios se deterioram, mudam de proprietários ou de tipo de uso.

E quando o público considera a segurança como um fato consumado e não está educado quanto aos riscos, suas ações inadequadas ou ignorantes podem pô-lo em perigo.

O sistema com o qual o público conta para lidar com a segurança contra incêndio está quebrado e a resposta não é uma única solução. Será necessária uma abordagem sistemática para resolvê-lo. Na NFPA, estamos concentrados no sistema na sua totalidade e trabalhamos com todas as pessoas envolvidas para suprir as lacunas.

Podemos não ser capazes de prevenir cada tragédia, mas ao reafirmar nosso compromisso e a promoção dum sistema integral de prevenção, proteção e educação sobre incêndios, podemos ajudar a salvar vidas e reduzir as perdas.  Esta é a historia que deveria ocupar as notícias do dia.

Share

Mais Notícias

nós

Quem nós Somos

A National Fire Protection Association (NFPA) é a fonte dos códigos e normas que regem a indústria de proteção contra incêndios e segurança da vida.

Atualizamos nossa política de privacidade, que inclui como são recolhidos, tratados e usados os seus dados pessoais. Ao usar este site, você aceita esta política e o uso de cookies