Segurança elétrica para uma audiência não-elétrica

Google Play

Apple Store

 

Artigo selecionado

Segurança elétrica para uma audiência não-elétrica

Por Derek Vigstol

Segurança elétrica muitas vezes é vista por quem não trabalha no ramo como “coisa de eletricista” ou como aquela pequena parte de cursos de segurança. A verdade é que muitas ocupações não elétricas precisam cada pedaço de treinamento de segurança em eletricidade que os eletricistas e técnicos de manutenção elétrica fazem. O recente treinamento para um grupo de indivíduos envolvidos nos serviços de encanamento, hidráulica e mecânicos mostraram-me como o treinamento de segurança elétrica, assim como oNFPA 70E , Norma para a Segurança Elétrica no Local de Trabalho, são importantes para este grupo.

Na manhã do primeiro dia de um treinamento de dois dias da NFPA 70E, discutimos um conceito de segurança elétrica que provocou pedidos de esclarecimentos dos participantes. Na verdade, o que eles estavam querendo eram informações de como atender o conceito de “pessoa qualificada”. Como muitas das práticas de trabalho encontradas na NFPA 70E depende de o trabalhador ser uma pessoa qualificada, muitas das crenças tradicionais destas ocupações não atendiam o que diz a NFPA 70E. Para criar uma base para o resto do curso, precisamos dar uma olhada mais profunda em como a NFPA 70E define uma pessoa qualificada, que é “aquela que demonstrou habilidades e conhecimentos relacionados com a construção e operação de equipamento elétrico e instalações e recebeu treinamento de segurança para identificar os perigos e reduzir os riscos associados”.

Duas partes desta definição são muito importantes: que a pessoa prove que tem conhecimento da construção e operação deste equipamento em que vai trabalhar e a habilidade para isto, e que a pessoa recebeu treinamento em segurança para identificar os perigos e reduzir os riscos associados à tarefa sendo feita.

A primeira parte da definição, “demonstrar habilidades e conhecimento” parecia levantar mais questões do que as responder. “A quem tenho que provar isto? Quem determina o nível suficiente de conhecimento e habilidade? Como posso fazer isto se estou sozinho no chamado?” As questões continuavam vindo, e precisamos simplificar nossa resposta, já que este era um novo conceito para a audiência. Explicamos que alguma entidade, normalmente seu cliente, está solicitando o serviço. Então alguém, usualmente um supervisor, é responsável por determinar que um indivíduo faça o trabalho. A entidade escolhendo o trabalhador para fazer o serviço precisa garantir que, se o trabalho exige uma pessoa qualificada, o trabalhador designado para o trabalho precisa ser qualificado para o trabalho a ser feito. Para fazer isto, o trabalhador precisa ter demonstrado suas habilidades e conhecimento à entidade determinando que ele faça o trabalho.

A segunda parte desta definição é baseada em que a pessoa qualificada tenha sido treinada para reconhecer os perigos e como se protegerem e a outros dos riscos que existem. É aqui que entra o treinamento da NFPA 70E. Contudo, a NFPA 70E não diz quem pode fornecer este treinamento ou que qualificações um treinador precisa ter para ensinar trabalhadores sobre os perigos da eletricidade e como reduzir os riscos associados. De novo, volta para a entidade que está determinando que um trabalhador é pessoa qualificada. Devidos cuidados devem ser tomados para garantir que as pessoas estejam sendo bem treinadas.

Quem garante que isto realmente aconteça? No fim, é o empregador da pessoa qualificada, mas também é uma função da relação contratado/contratador que, às vezes, é esquecida. É responsabilidade do contratado entender e cumprir todos os procedimentos de segurança elétrica; o contratador ainda é responsável por supervisionar qualquer trabalho feito sob sua responsabilidade. Assim, o empregador deve também tomas o devido cuidado para garantir que o empregado qualificado do empregador tomou as medidas necessárias para ser considerado qualificado.

Isto não significa que o empregador também precise determinar se um empregado é qualificado. Em vez disso, o empregado é que precisa fornecer documentação

This doesn’t mean that the host employer must also make the determination of whether an employee is qualified. Instead, the contract employer must provide documentation that the contract employees have taken adequate training and have proven their skills and knowledge related to the electrical equipment to be worked on. This information is required by NFPA 70E to be documented, and the process for this should be outlined in the company’s electrical safety program.

Lastly, it is important to know that, because of the nature of determining a qualified person, there is no way to create any sort of general qualified-person credential that employees can carry with them to prove they are qualified. However, there are credentials that can be used by employers as a tool to assist in making the determination. Take for instance the Certified Electrical Safety Technician® certification program; while this credential in no way deems a person qualified, it is nevertheless a way for an employee to demonstrate that they have taken the proper training and have gained the needed knowledge to identify hazards and control the risk. Combined with licensing and work experience, an employer can get a sense of where an employee is at in order to make the qualified person determination.

Derek Vigstol is an NFPA technical lead, Electrical Tech Services. NFPA members and AHJs can use the Technical Questions tab to post queries on NFPA 70 at nfpa.org/70.

Share

nós

Quem nós Somos

A National Fire Protection Association (NFPA) é a fonte dos códigos e normas que regem a indústria de proteção contra incêndios e segurança da vida.

Atualizamos nossa política de privacidade, que inclui como são recolhidos, tratados e usados os seus dados pessoais. Ao usar este site, você aceita esta política e o uso de cookies